Chamada para dossiê sobre o primeiro romantismo alemão na Revista Aletria

Já está no ar a chamada da Revista Aletria para o dossiê “Poesia e Filosofia: a atualidade do primeiro romantismo alemão”, organizado pelo Constantino Medeiros, pelo Pedro Duarte e por mim! O prazo para submissão é junho de 2023 —

Mais de dois séculos nos separam do nascimento do Romantismo, ainda no final do século XVIII, entre os alemães, mas sua atualidade teórica e estética permanece, tanto como parte canônica da modernidade quanto como parte da crítica que ainda nos faz interrogar essa mesma modernidade. Entre as muitas vertentes e leituras possíveis desse movimento, aquela que aponta para a aproximação recíproca (Wechselwirkung) entre poesia e filosofia é das mais frutíferas. Conceitos primeiro-românticos como nova mitologia, filosofia da filologia, crítica, modernidade, absoluto, poesia da poesia, ironia, entre outros, ou mesmo as figuras do poeta filosofante e do filósofo poetizante perpassam escritos e ensaios de Friedrich Schlegel, Novalis e de outros pensadores do Romantismo. 

No século XVIII, a reivindicação de um estatuto de autonomia para a arte surge como projeto de uma época que suspeita da própria capacidade de se fazer entender. O fracasso da comunicação verbal consolida-se como um problema propriamente filosófico no romantismo alemão – Friedrich Schlegel dedica-lhe até mesmo um ensaio, Sobre a Incompreensibilidade. Eis por que, para os românticos alemães, a poesia não era apenas o objeto da filosofia, mas, como afirma Armin Erlinghagen (2012, p. 8), “o próprio pensamento poetológico enquanto o medium da reflexão filosófica” – o que indica que para expressar o inexprimível a filosofia precisava adentrar o terreno da poesia, abarcando sua natureza poética.

Repensando autores da filosofia, desde Platão e Aristóteles até seus contemporâneos Kant e Fichte, os românticos deram relevância inédita à poesia e à literatura. Isso fez deles também, depois, assunto central para autores como Walter Benjamin, Phillipe Laucoe-Labarthe, Jean-Luc Nancy ou Maurice Blanchot. Além disso, autores como Shakespeare e Goethe tiveram sua recepção marcada pelo Romantismo, que assim se coloca entre a história da filosofia e da literatura. Por fim, os próprios experimentos românticos mostraram-se decisivos para as experimentações estético-filosóficas que irão desaguar nas vanguardas em geral e até no modernismo – e se farão sentir por isso, no Brasil, do movimento antropofágico ao tropicalismo. 

Esse número da Revista Aletria busca fomentar a discussão sobre a aproximação entre filosofia e poesia no primeiro romantismo alemão. Buscam-se artigos que versem sobre os temas acima elencados, entre outros que envolvam o legado do primeiro romantismo alemão até hoje. Nesse sentido, o objetivo do dossiê é pensar o primeiro romantismo alemão e sua recepção, debatendo seu legado e sua atualidade para a época contemporânea.

— aqui o LINK para a chamada —

Publicidade

V Colóquio Estéticas no Centro: Dimensões do Estético

No dia 05/12 participo do V Colóquio Estéticas no Centro – organizado pela querida Carla Damião – com essa turma boa:

Guadalupe Lucero (CONICET/Buenos Aires): “A questão da imagem na sociologia de Silvia Rivera Cusicanqui” / Salomé Lopes Coelho (Universidade Nova de Lisboa): “Os ritmos da matéria e a malha de conexões ecológicas e coloniais, na instalação Ajuar para um Conquistador (1993)” / Guilherme Fóscolo (UFSB): “Objetos acronotópicos: uma hipótese ameríndia para a sabotagem do universal”. / Mediação: Miguel Gally (UnB)

Mais informações sobre o evento AQUI

A gravação da mesa no Youtube está disponível AQUI

IV Coloquio ImagenLat


Durante los días 28, 29 y 30 de septiembre estuve presente — para hablar de Fábrica de Hiperstición — en el IV Coloquio ImagenLat que se realizó en la UNA/Buenos Aires:

“El principal objetivo de los encuentros de ImagenLat es indagar la dimensión política de las imágenes, estudiando las prácticas y los medios que ellas hacen posibles y las estrategias de resistencias que actualizan. En las seis mesas que se distribuyeron a lo largo de los tres días del evento en la UNA, se propició el diálogo entre expositores/as, tesistas y participantes y puso de manifiesto la necesidad de trazar cartografías posibles para continuar pensando el sitio de las imágenes”.

En: https://una.edu.ar/noticias/se-realizo-el-iv-coloquio-imagenlat-en-la-una_36585

ImagenLat: https://www.imagenlat.org

Vida da Literatura

Muito feliz com a publicação do Vida da Literatura — com textos da Flora Süssekind, Gumbrecht, Alex Martoni, Nicolau Spadoni e meu! O livro surgiu do encontro de três gerações de pesquisadores que vêm se propondo a pensar, em encontros quase que anuais, a respeito de temas que cruzam as esferas da literatura e filosofia. O ensaio de abertura, de Hans Ulrich Gumbrecht, a partir dos contextos exploratórios de corpos místicos, bliss e intensidade, propõe uma nova forma de vida a partir da cultura literária. O ensaio seguinte, o de Flora Süssekind, reconstrói uma outra face da bliss, o êxtase negativo, a partir de uma análise que remonta ao trabalho de Ana Cristina Cesar na tradução do conto “Bliss”, de Katherine Mansfield. Em meu texto, a partir de um diálogo com o Manifesto Ciborgue, de Donna Haraway, proponho que nossas vidas têm sido orientadas por ainda outra forma de vida – a vida das tecnologias. Alex Martoni, na contramão das previsões contemporâneas para a morte da literatura, reivindica uma literatura viva pela dimensão sensível da leitura. Por fim, o texto de Nicolau Spadoni, provocando o futebol – entre acontecimento e filosofia –, acena para uma forma de vida que se alimenta da/e alimenta a própria literatura.

Live de lançamento no dia 24/08, às 18h, no canal YouTube da n-1 edições!

Art Against Oppression: A Conversation with Priscila Rezende


Race, identity, the insertion and presence of the Black individual and women in contemporary society act as main drivers and questions raised in the work of Brazilian artist Priscila Rezende. From her own experiences as a Black and Latin American woman, imposed limitations, discrimination and stereotypes are exposed in intense works of performance art, which seek to establish with the public a direct and clear dialogue. The audience is confronted by different realities, displacing them from their positions of comfort and to question their crystallized prerogatives.  More information at http://priscilarezendeart.com/

Brazilian artist Priscila Rezende will present a selection of her works, followed by a roundtable discussion with Guilherme Foscolo (Universidade Federal do Sul da Bahia) and Tom Winterbottom (Stanford University)

Source: https://dlcl.stanford.edu/events/art-against-oppression-conversation-priscila-rezende

Dimensões do Ritmo

No CPF/SESC a partir do dia 08 de setembro — todas as terças e quintas — vai rolar o Dimensões do Ritmo! Serão 6 encontros com o objetivo de discutir as dissonâncias do Brasil de hoje. A expectativa é a de que o tensionamento de distintas produções artísticas faça emergir uma complexidade de modos de produção de imagens, sons, performances e textos, as suas especificidades materiais, as especificidades dos ritmos inscritos em cada produção e as diferentes formas de criar/existir/resistir no mundo contemporâneo. Os encontros serão virtuais, e as inscrições gratuitas estarão abertas a partir do dia 31/08!

Mais informações/inscrições — AQUI —